Lula


Qual é a sua experiência colaborando para que equipes e organizações sejam ágeis?

Trabalho com agilidade há quase 10 anos, sempre focado em um setor historicamente conservador e complicado, o mercado financeiro. Atuando como consultor e Trainer especializado em agilidade há 3 anos, uma experiência muito legal, dentre outras, foi atuar na jornada de crescimento ágil do PagSeguro (atualmente uma das maiores referências brasileiras em agilidade) quase desde o seu início.

O que você planeja aprender ou explorar nesse Camp?

  • Agilidade em organizações menos hierarquizadas: Falamos de “transformação ágil” quando nos referimos a organizações tradicionais adotando agilidade, e somos especialistas nisto. Mas e as organizações não tradicionais que querem tirar proveito da agilidade, como devem se organizar? Nós da K21 e alguns dos nossos clientes mais contemporâneos temos a proposta de crescer sem chefes, e pautados nos princípios e valores ágeis. Fazer isso com 5 pessoas é tranquilo. 15? Ok. 30? Aí a brincadeira começa a ficar divertida. Quais práticas podem suportar este crescimento horizontal sem apelar para a hierarquização? Como vanguarda, temos experimentado alguns frameworks de mercado, que ainda não parecem totalmente estáveis, mas que estão dando alguns bons resultados. Gostaria de compartilhar nossos aprendizados e aprender com outros participantes do Camp o que eles vêm praticando neste sentido (por exemplo a galera da WebGoal, uma vez que acredito que, assim como Scrum é o presente, a gestão horizontal (hoje ainda um movimento vanguardista) é o futuro.

  • Agilidade em grandes (grandes, grandes mesmo) organizações: Existe uma disputa de mercado acirrada entre os frameworks de escala. Parto do pressuposto de que todos os modelos estão errados, mas alguns são úteis. Por grandes clientes por onde passo vejo efeitos colaterais da adoção de alguns deles. Estes efeitos colaterais fazem parte da jornada? O custo que vêm a reboque valem o retorno proposto? No meu dia-a-dia tento ser o mais agnóstico possível, apesar de ter as minhas preferências, mas gostaria de ouvir de alguns dos participantes do Camp alguns casos de sucesso de agilidade em escala, efeitos positivos e negativos da adoção de frameworks e, de forma mais profunda: o quanto a agilidade está realmente preparada para escalar em grandes organizações tradicionais?

Qual é o maior desafio para a comunidade ágil nos próximos 5 anos e por que?

Definitivamente, coesão. A hype chegou, e já fomos para além de TI, mas o último discurso realmente coeso foi o Manifesto Ágil para Desenvolvimento de Software. Se nós próximos 5 anos as lideranças reconhecidas do movimento Ágil não buscarem um nível mínimo de coesão, a ineficácia (que vem a reboque com a agilidade mainstream) só tende a aumentar. Comecemos nós, comunidade brasileira, a buscar mais coesão.

Voltar