Matheus Haddad


Qual é a sua experiência colaborando para que equipes e organizações sejam ágeis?

No início de minha carreira profissional, atuei numa fábrica de software CMMi que utilizava um processo de desenvolvimento de software baseado no RUP e nas diretrizes da ISO 9001. Nesta fábrica, atendíamos o governo e grandes corporações, executando projetos de software com excessivo controle e padronização dos requisitos.

No final de 2007 conheci o Scrum e o Manifesto Ágil e compreendi o quão diferente deveria ser o processo de desenvolvimento de software. Então, resolvi sair da fábrica de software e fundei, em 2008, a Webgoal, uma empresa cujo propósito inicial era desenvolver software utilizando os métodos ágeis. Nesses 11 anos, atendemos diversos clientes e aprimoramos nossos conhecimentos e práticas em Scrum, XP e Kanban executando projetos complexos. Como consequência, emergiu na Webgoal uma cultura baseada em autonomia, colaboração e trabalho em equipe, e um estilo de gestão distribuído, sem cargos, sem hierarquias e centrado nas pessoas. Atualmente, a unidade de negócios de desenvolvimento de software da Webgoal passou a ser o Ateliê de Software, nome escolhido para ser um contraponto a expressão “fábrica de software”.

Em toda essa jornada, ministrei diversos cursos e treinamentos de agilidade, organizei e palestrei em diversos eventos da comunidade ágil e ajudei clientes da Webgoal e outras empresas a adotarem o pensamento ágil. Entretanto, o que considero mais relevante, foram palestras, workshops e ferramentas que criei para compartilhar o estilo de trabalho e gestão que cultivamos ao longo desses anos na Webgoal.

O que você planeja aprender ou explorar nesse Camp?

Pretendo aprender ou explorar novas abordagens para explicar e disseminar conceitos ágeis e de novos modelos de gestão, principalmente para empresas tradicionais ou que estão fora da área de tecnologia.

O que encontro é muito conhecimento superficial, evidenciado pelo número de agile coaches com atuação medíocre. Explicar e disseminar conceitos ágeis em empresas tradicionais, ou fora da área de tecnologia, não é uma tarefa trivial, pois requer a mudança de mindset como uma premissa para a mudança de comportamento.

Qual é o maior desafio para a comunidade ágil nos próximos 5 anos e por que?

Compreender e vivenciar os principais conceitos, princípios e valores ágeis para transcender os métodos. A maior parte da comunidade hoje (early e late majority) valoriza mais os métodos (Scrum, Kanban, XP) do que os conceitos e a ideologia de trabalho que embasa a agilidade. O apego a métodos, práticas e ferramentas faz com que existam empresas com uma "maquilagem" ágil. Como consequência, a agilidade passa a ser vista como uma abordagem bastante limitada e incapaz de mudar substancialmente os resultados de uma organização.

Voltar