Alexandre Magno


O que você planeja aprender ou explorar no Agile Coach Camp e quais os temas que você quer ver discutidos?

Pretendo ouvir com muita atenção as histórias de todos os participantes e com isso atualizar minhas perspectivas do que tem acontecido no mercado: dificuldades, desafios, glórias, e aprendizado. Tenho observado com bastante curiosidade o movimento que temos feito de não nos satisfazermos unicamente com a agilidade no desenvolvimento de software, buscando cada vez mais ajudar empresas a terem mais agilidade na sua estrutura e nos seus negócios. Sou particularmente curioso por saber se, em algum momento futuro, todo esse nosso trabalho que começou lá atrás terá um grande impacto na forma com que sociedades como um todo funcionam.

Como você acredita que pode contribuir nessa edição do Agile Coach Camp?

Penso que tenho boas histórias acumulados ao longo de todos esses anos com agilidade. Muitas delas vindo da época que trabalhar e promover Agile não pagava os boletos. Muitas das minhas histórias vem da minha experiência com práticas emergentes - algo que tenho defendido no mercado desde 2010 - sempre trabalhando de forma muito contextualizada e nada dogmática. Já implementei mini-waterfall ao invés de sprints ou fluxo unitário, já encontrei situações onde POs viraram gargalos e precisavam ser removidos, e já ajudei empresas a economizarem um bom dinheiro ao perceberem que seus problemas não seriam resolvidos com “launch" ou “rampup" de squads. Nos últimos anos estive rodando o mundo, onde tive contato com clientes e comunidades em mais de quinze países, o que me ajudou a ter uma visão bem particular sobre Brasil e nossa comunidade. Será também um prazer compartilhar essas experiências. Por fim, podem contar comigo para ajudar em organização, facilitação e a preparar drinques com chás e também gin tônicas que minha esposa diz serem fabulosas. :)

Conte-nos qual é a sua experiência colaborando para que equipes e organizações sejam ágeis

(90)Programei em Basic, C, C++ e Pascal, e ganhei algum dinheiro com Clipper e Delphi desenvolvendo de forma independente sistemas de folhas de pagamento para prefeituras no interior do Pará. Após isso, me aventurando no mundo corporativo em São Paulo, percebi o quanto a organização e gestão dos nossos projetos em desenvolvimento de software eram ruins. Conheci o PM-Bok. (00)Virei PMP. Ferrei alguns projetos. Fali uma empresa. Voltei pra programação. Nesse retorno tive meu primeiro contato com FDD (Feature-Driven Development), minha primeira experiência com métodos ágeis. Sucesso em alguns projetos. Conheci Scrum e decidi entrar de cabeça nisso, mesmo tendo que fazer tudo de forma clandestina ou guerrilha - já que ninguém queria ouvir falar sobre agilidade, scrum, xp, e essas outras coisas de rebeldes. Virei CST da Scrum Alliance e fundei a Adaptworks. Rodei o Brasil ensinando Scrum. Levei Scrum para Portugal. Vieram os primeiros projetos maiores e corporativos com Scrum. Estudei bastante complexidade e práticas emergentes, que foram base para minhas melhores histórias com Agile. (10) Vendi com sucesso a Adaptworks. Publiquei How Creative Workers Learn lá fora, o livro de Learning 3.0 - mais de 10.000 cópias vendidas em mais de 20 países. Fui para Inglaterra. Rodei o mundo ensinando Scrum. Projetos internacionais aplicando Learning 3.0, Cynefin e Agile para alcançar agilidade nos negócios. Me aproximei do mundo de estudo da complexidade. Mudei para Portugal. Morei no meio do mato, do lado da praia. Descansei bastante ou, como dizem meu amigos: quase me aposentei. Enquanto tudo isso acontecia, mais e mais eu estudava, observava e praticava sobre complexidade. (19) Voltei para o Brasil e fundei a Emergee com dois amigos de mais de vinte anos. Estamos fazendo vários experimentos em modelos de negócio enquanto ajudamos pessoas e empresas como um todo a serem mais ágeis. Ao longo deste ano conectamos várias informações sobre nosso jeito de fazer Business Agility, que será nosso principal foco em 2020. Publiquei “Tire seu projeto do papel com Scrum” pela Editora LeYa, focando em ajudar o leitor comum a entender Scrum.

Voltar