Gustavo Ayres


O que você planeja aprender ou explorar no Agile Coach Camp e quais os temas que você quer ver discutidos?

Nesses anos trabalhando com agilidade, conseguimos fazer com que o tema saísse do círculo de desenvolvedores e finalmente chegasse ao nível dos tomadores de decisões das empresas. Mas a impressão que venho sentindo, principalmente nos últimos anos trabalhando como consultor em grandes empresas, é de que a mensagem não chegou corretamente. Estamos vendo muitas empresas querendo fazer suas “transformações ágeis” mas partindo dos princípios e ideias anteriores ao pensamento ágil. Isso, especialmente nos últimos anos, tem virado uma espécie de crítica ao movimento ágil em si. O que gostaria de explorar nas discussões com os participantes é uma ideia de “volta ao básico”. Como podemos e quais as iniciativas que as pessoas tem adotado para fazer, principalmente grandes empresas, entenderem que existe uma mudança de mentalidade antes de uma mudança de estrutura, processos e metodologias? Estamos falando de Business Agility onde ainda não entendemos o que é ser ágil. Como podemos facilitar a discussão dessa base necessária? Ainda em cima de “volta ao básico”, tenho sentido um distanciamento de pessoas desenvolvedoras sobre o assunto de agilidade. Percebo termos no mercado muitas pessoas desenvolvedoras só pensando no estado da arte do desenvolvimento enquanto vejo pessoas de negócio, marketing e produto querendo a entrega a qualquer custo. Como podemos fazer com que a discussão volte para o equilíbrio necessário, com valor e qualidade? Por fim, um assunto que tenho tido pouca experiência mas gostaria de ouvir mais das pessoas que estarão no camp, é como a agilidade tem sido explorada fora do ambiente de desenvolvimento de software. Quero entender como isso funciona e até mesmo SE funciona, uma vez que tenho pouca experiência e muito interesse no assunto.

Como você acredita que pode contribuir nessa edição do Agile Coach Camp?

Acredito que tenho muitas histórias e aprendizados que devem agregar bastante às discussões devido aos mais de 10 anos de experiência com agilidade. Comecei como desenvolvedor aprendendo e tentando criar uma cultura ágil nas empresas lá em 2006 e fui passando por todo tipo de papel diferente em times ágeis, errando e aprendendo bastante com diferentes contextos e papéis. Acho que os últimos anos como consultor em grandes empresas também trazem uma bagagem que pode auxiliar as outras pessoas em possíveis situações que estejam enfrentando. Tenho também bastante experiência com gestão, apoio e cultivo de pessoas, o que, dentro do mundo ágil, é algo que pode agregar bastante às discussões.

Conte-nos qual é a sua experiência colaborando para que equipes e organizações sejam ágeis

Trabalho com ágil desde 2006, quando ainda era um desenvolvedor e comecei uma verdadeira “cruzada” para mudar a maneira como fazíamos e entregávamos software na empresa. Em 2009 me tornei gerente de TI, onde acabei adquirindo muita experiência no apoio e cultivo de pessoas, além de ter uma visão ainda mais voltada para o negócio. Nesse período entre 2009 e 2016 busquei uma transformação tanto nos valores e no jeito da empresa pensar entregas, tudo muito focado no que o manifesto ágil fala sobre pessoas e valores. Durante esse período também tive muitas mudanças de papéis e cargos, sempre buscando melhorias na empresa, fazendo desde o papel de Business Development até voltando para a o papel de Project/Delivery Manager para um projeto de inovação da empresa. Em 2016 tive uma nova mudança voltando a trabalhar como consultor mas dessa vez voltado especificamente para mudanças e transformações ágeis na ThoughtWorks, focando em construir essas transformações principalmente através da entrega de software. Nesses 3 anos como consultor passei por algumas empresas grandes do mercado financeiro influenciando times a mudar a mentalidade para um pensamento de desenvolvimento de software ágil. Atualmente estou em uma nova oportunidade de habilitar e ajudar o crescimento da ZBRA Solutions, ajudando a transformar os times em times mais ágeis ao mesmo tempo que ajudo a empresa no crescimento e sua operação.

Voltar