Mudança de data

Devido ao agravamento da pandemia de Covid 19 tivemos de alterar a data do evento de Março para Abril, caso queira saber mais clique aqui.





Ricardo Boessio


O que você planeja aprender ou explorar no Agile Coach Camp e quais os temas que você quer ver discutidos?

Exercer uma escuta ativa para conhecer formas diferentes de como a agilidade vem sendo exercitada em diferentes contextos, obter insights (e compartilhá-los) com estas experiências e também o que falhou rápido e trouxe aprendizados. Afinal é de suma importância aprendermos mais a ter escuta ativa. Principalmente em contextos para além da Engenharia de Software, pois vejo muito mais experiências e materiais sobre o assunto. Por outro lado compartilhar o que vivencio com a agilidade em um contexto SRE (Site Reliability Engineering) e em Infraestrutura e Operações. Considerando o ponto acima sobre ter mais materiais, experiências e meet up’s com foco em Eng Software, sinto falta de pessoas discutindo mais experiências em Infra. SRE funciona? Devops era uma ideia melhor? Considerando que Infra e Operações normalmente não trazem ROI e sim custo, são projetos estruturantes, quais ideias tem surgido para demonstração de valor? Falamos tanto em quebras de stories, pequenas entregas com valor, experimentar pequeno, mas qdo chegamos em Infra temos situações como um Data Center em que eu não tenho como entregar “meio servidor” funcionando, quais seriam as ideias que estão experimentando neste sentido? Estas são algumas questões as quais tenho as respostas atuais, mas e como estão fazendo em outras organizações? Outro assunto que me tem tomado atenção recentemente é o Management 3.0 e suas correlações com a Psicologia Positiva, bem como podemos utilizar esta ideia do Jurgen Appelo e a disciplina disseminada pelo Seligman para engajar e motivar times, principalmente neste contexto de pandemia e no pós pandemia com o trabalho híbrido ou full home office. Antes do modelo híbrido ou full HO ser disseminado (algumas emrpesas faziam, mas era minoria) tínhamos o “olho no olho” e os famosos almoços e café para perceber as pessoas, agora não temos. Como identificar necessidade de engajamento? Vcs tem usado ferramentas como 12 Steps, Kudo Cards, Happiness Door e outras ferramentas do Mngt 3.0? Quais resultados tem obtido? Tem notado identificação de pontos de melhoria tarde demais ou tá legal? O que a Psicologia Positiva pode ter ajudado? Acredito que as pessoas que participarão tem bastante a agregar para os meus conhecimentos e posso agregar aos delas também. Acho que o ponto mais importante é ter esta abertura para compartilhar, afinal num tempo não muito distante a gente encontrava muitas barreiras, não havia este sentimento de compartilhamento, “se eu me virei pra aprender, então se vire também” e coisas assim que eu vi muito no início da minha carreira com foco em tradicional, mas que também esteve presente na agilidade.

Como você acredita que pode contribuir nessa edição do Agile Coach Camp?

Gosto muito de compartilhar conhecimento e pela experiência acredito que posso agregar muito às discussões sobre temas que as outras pessoas que participarão querem ouvir, além disso posso ajudar bastante nas facilitações e trazer para o papo aquelas pessoas que possam estar mais tímidas. Acredito que tenho a contribuir com a comunidade com um bom uso de CNV. Especificamente sobre os assuntos citados acima: estou com a responsabilidade de trazer agilidade ao contexto SRE há dois anos e meio, fiz pós em Psicologia Positiva e meu TCC foi justamente usando as abordagens da Psicologia Positiva por meio de práticas e ferramentas do Management 3.0 para engajar um time de agilistas (que, por natureza, são engajadores de times técnicos), portanto acredito poder trazer uma riqueza e um olhar diferente para as discussões. Falei sobre os assuntos citados, mas serve para os outros assunto. Meu intuito não é ficar numa bolhinha para discutir apenas os assuntos que mais me consomem atualmente e sim contribuir com todos. Ah, e antes de Eng da Compuitação e a pós em Psicologia Positiva, eu também fiz Agropecuária, então posso até ajudar dando dicas para o jardim do hotel!!! E tenho experiência com alguns drinks p/ contribuir com as discussões, afinal é importante “molhar o bico”, né? :o)

Conte-nos qual é a sua experiência colaborando para que equipes e organizações sejam ágeis

Conheci a agilidade em 2004, mas não utilizei (ou não soube utilizar ou não entendi ou um pouco de cada) naquele momento, porém em 2008 fiz um curso na PUC do RJ para “Gestão Ágil de Projetos” quando tive os primeiros “eurekas moments” e trazia para discussão em grupos de gestão de projetos no antigo Yahoo Groups, mas ainda havia pouco espaço. Portanto comecei a “traficar ágil” dentro de contextos tradicionais. Era um tal de “vai uma sprintizinha aí?” ou “que tal experimentar um Scrumzinho?”, bem como envios de pílulas de Manifesto Ágil (valores ou princípios) para alta gestão, citações em apresentações e comecei a praticar em contextos tradicionais aqui e ali, era levantamento de toooodos os requisitos, mas construção em sprints com priorização e releases p/ ir mostrando a cliente. Até começar a atuar com agilidade mesmo. Desenvolvi uma carreira de SM, depois atuei com a disfunção que são os dois cargos/bonés, SM e PO, fui APM (Agile Project Manager) que me deu uma boa experiência com um ciclo completo desde a ideação até colocar em produção, upstream total com downstream total. Em março de 2019 assumi o desafio de ser Agile Master no PagSeguro de dois mega times de segurança, AppSec e EngSec, cada qual com cerca de 18 e 23 pessoas, respectivamente. E em algum tempo iniciei a jornada na implantação do modelo SRE do Google dentro do Pag como Chapter Leader. Passei pela coordenação de agilistas deste contexto e atualmente sou Agile Manager respondendo diretamente para o Head de Agilidade do Pag e com a gestão de 20 agilistas maravilhosos. Além de ter a função concorrente de Agile Chapter Leader, preparar e corrigir provas de candidatos a AM, participar de diversos processos seletivos de AM’s no Pag (não só para meu time), criador do programa de AM trainee no Pag. Participei de algumas lives para contribuir com a comunidade agile de forma geral. Frequentador costumeiro do Lean Coffee SP (e já “invadi” os Lean Coffees Campinas e Jundiaí). Minha dificuldade por causa do tempo tem sido participar mais de meetups para compartilhar mais ainda o conhecimento. Apesar de ser uma pessoa que gosta de analisar a experiência e a prática, não ignoro treinamentos e certificações. Acho que os bons treinamentos são o primeiro passo para que as pessoas possam pôr em prática. Alguns pelos quais passei: KMP I e II (hoje tem outros nomes, né…), KCP, ICAgile Coach, Lean Inception, Lean Strategic Inception, SPS, PMP, ITIL Master, Six Sigma Green Belt, Agile Coach DNA, Técnicas de Facilitação e algumas de Management 3.0.

Voltar