Mudança de data

Devido ao agravamento da pandemia de Covid 19 tivemos de alterar a data do evento de Março para Abril, caso queira saber mais clique aqui.





Salger Luiz


O que você planeja aprender ou explorar no Agile Coach Camp e quais os temas que você quer ver discutidos?

Tem se falado muito sobre agilistas ganhar 20k depois um um curso de um mês e, em muitas organizações termos “ágeis” são usados apenas para mascarar cargos e funções em estruturas tradicionais, que não tem nada de ágil em sua essência. Essa “Agilidade” está se tornando o lugar comum no mercado? O que isso significa para o futuro da agilidade? É tendência ou o mercado tende a corromper agilidade, tornando-a apenas mais um jargão corporativo, um termo de marketing?

Com a pandemia as empresas precisaram reaprender a trabalhar. Particularmente sofri muito com a falta de convivência física com os colegas e as discussões, ao menos no primeiro momento perderam bastante conteúdo. Câmeras fechadas me deprimem. Como o trabalho remoto afetou o mercado e as empresas dos participantes? Como eles se adaptaram? Quais foram os desafios?

No meu contexto (mercado financeiro), decisões rápidas (especialmente no contexto de pandemia) se tornaram cada vez mais top-down e menos baseadas em medição e experimentação. Esse tem sido um grande desafio no meu dia a dia, uma vez que os times, desenvolvedores principalmente, perderam relevância nas discussões, experimentação e tomada de decisão. Como tem sido para os demais trabalhar assim? Esse problema é um reflexo da pandemia ou seria um problema geral do mercado? O modelo de trabalho remoto exige por natureza controle um pouco mais centralizado?

Esse tema eu trouxe em 2020, mas continua relevante depois de 2 anos. Negócio x Engenharia: em muitas empresas existe uma barreira entre pessoas de desenvolvimento e pessoas de negócio, com preconceitos de ambos os lados. Umas das conclusões que chegamos nessa discussão e tem sido parte do meu dia a dia é não ter receio de falar “tecniquês” com as pessoas de negócio, o que ajudou muito na compreensão dos problemas. Entretanto, muitas vezes os objetivos continuam conflitantes, mesmo com o aumento da compreensão mútua. Como quebrar essa barreira e tornar negócio e desenvolvimento um time só? Como equilibrar as prioridades técnicas com as prioridades do negócio?

Como você acredita que pode contribuir nessa edição do Agile Coach Camp?

Me interesso muito pela relação entre as pessoas que desenvolvem, agilidade e a entrega de significado através do software, por isso acredito que posso contribuir com a visão tanto de desenvolvedor quanto de agilista que já passou por diversos papéis e contextos e teve tanto frustrações quanto alegrias com times ágeis. Tenho formação em Adm Pública, um mundo bem diferente do qual trabalho, e acho que, com isso, posso enriquecer muito as discussões.

Conte-nos qual é a sua experiência colaborando para que equipes e organizações sejam ágeis

Trabalho com agilidade nos últimos sete anos. Comecei como Desenvolvedor e depois Scrum Master no projeto de criação do portal mobile de uma grande empresa de telefonia. O grande desafio desse projeto foi implantar a entrega contínua, uma vez que o cliente tinha uma mentalidade muito rígida. Fui Agile Master em um time alocado na área financeira de um grande portal de internet, período em pudemos experimentar novas formas de trabalho e comunicação que nos permitiram ter um time que trabalhava muito bem junto, apesar de ser remoto. Um dos grandes desafios desse período, por atender a uma área acostumada a processos muito rígidos, foi conseguir fatiar as entregas, baseando em valor e experimentação, já que havia muita resistência à quebra e priorização das demandas.

Hoje exerço o papel de coordenação de alguns times de uma instituição financeira e um dos grandes desafios tem sido aproximar as pessoas mais novas dos fundamentos da agilidade para que pensem ágil e não apenas sigam cerimônias e conciliar as prioridades de engenharia e de negócio, que muitas vezes são conflitantes.

Também tenho feito parte do processo de transformação ágil da TQI, sendo parte de um grupo de agilistas que têm se esforçado para disseminar o pensamento ágil através muito estudo, colaboração e troca de ideias que tem se expandido também na nossa cidade, Uberlândia, MG, com eventos e meetups.

Voltar