Mudança de data

Devido ao agravamento da pandemia de Covid 19 tivemos de alterar a data do evento de Março para Abril, caso queira saber mais clique aqui.





Uedson Carlos


O que você planeja aprender ou explorar no Agile Coach Camp e quais os temas que você quer ver discutidos?

Quando falamos de Business Agility encontramos diversas informações sobre o processo de transformação, porém é pouco falado sobre como usar os benefícios do Pensamento Sistêmico. Atualmente estou participando de um grande transformação ágil numa instituição financeira e dentre os desafios encontrados é tangibilizar os conceitos de forma prática.

A Jornada de Transformação foi um resultado de um amplo estudo sobre como a transformação aconteceu em outras empresas e combinados com as melhores práticas do SAFe, conteúdos da McKinsey e bechmarking com grandes empresas. Uma grande dor que encontramos na confecção do nosso Roadmap para a transformação foi encontrar organização de mesmo proporção e no mesmo nível de maturidade, o que sempre dificultava ter clareza sobre as principais dores e aprendizados desses cases.

Por outro lado, isso também nos traz uma grande oportunidade de criar algo mais orgânico e totalmente aderente ao modelo organizacional da empresa. Por isso gostaria de compartilhar sobre as principais experiências com os demais participantes.

Uma grande curiosidade que tenho é saber como foram combinados alguns métodos nas empresas como SAFe com Nexus, uso de LESS e principalmente do Flight levels. Hoje conheço bem o framework SAFe e já participei de projetos de implementação em algumas empresas, mas sempre usando o SAFe com Scrum e/ou Kanban.

Como você acredita que pode contribuir nessa edição do Agile Coach Camp?

Uma marca que sempre deixo deixar é que devemos praticar aquilo que ensinamos. Principio básico. Então pretendo levar um pouco da experiência que tenho conectando conceito e prática. Por ser instrutor de metodologias ágeis e também do modelo tradicional sempre escuto os mesmos questionamentos dos alunos (que muitas vezes me lembram, pequenas consultorias, rs, rs) como é que coloco isso em prática. E lembro muito da frase de um dos meus mentores, Victor Vidal “Feito é melhor que perfeito”. Complemento que não é para fazer mal-feito, afinal mal-feito é diferente de feito.

Quero levar essa conexão e experiência do fazer acontecer (faça o simples e evolua sempre), da prática além do discurso e fugindo da filosofia quântica líquida que vemos em vários momentos.

Conte-nos qual é a sua experiência colaborando para que equipes e organizações sejam ágeis

Sou instrutor de metodologia ágil e de projetos por paixão, e o prazer que tenho em compartilhar conhecimento é o mesmo que tenho que aprender com as experiências e grandes desafios que cada aluno tem ao realizar os treinamentos.

A oportunidade de estar em sala de aula é gratificante e recompensadora, e sempre tenho que responder: "Professor o senhor trabalha?" Sim, hoje estou como Agile Coach numa instituição financeira multinacional, gigante em números de equipes ágeis, mais de 400 times. Atuo no capítulo de Transformação dentro da área de Agilidade & Qualidade, ajudando diversas tribos (comunidades) de agilistas a melhorarem seus processos de desenvolvimento de software.

Atuando em iniciativas significativas de Product Discovery (Lean Inception, Design thinking, Design sprints) conseguir apoiar áreas de negócios digitais, tecnologia e produtos.

Atualmente estou numa trilha de disseminação do SAFe, para ajudar a empresa na transformação ágil.

Voltar